Quem manda nas cidades?

30 03 2012

Por José Luiz Portella

A dimensão humana ou a forma? A gente ou as coisas?

Zaha Hadid, única mulher a ganhar o prêmio Pritzker, uma espécie de Nobel da Arquitetura, está no Rio para o evento Arq. Futuro. Nasceu em Bagdá, formou-se em arquitetura em Londres, gosta da forma de Brasília. Projetou o Centro Aquático de Londres que deve ser a imagem da Olimpíada 2012. Como o Ninho de Pássaro foi em Pequim.

Zaha Hadid prioriza a forma. O homem se conforma a ela.

MaXXI, Museu de Arte do Século 21, em Roma; obra de Zaha Hadid

Jan Gehl é arquiteto formado em Copenhague, planejador urbano e mudou a cara de Copenhague em 1960. Com um conceito bem simples, mas raro e objetivo: pensar primeiro nas pessoas. A forma segue o movimento e as necessidades humanas.

Ambos são consagrados, cada um obteve seu sucesso. Vale menos o cotejo pessoal de projetos. Valem mais os conceitos. Hadid faz belas obras. A forma não pensa na funcionalidade. Como Niemeyer. Como os prédios ministeriais de Brasília que são muito ruins funcionalmente: apertados e difíceis para se trabalhar. Como o Palácio Alvorada, frio e inóspito. Mas têm uma forma marcante.

Jan Gehl fez a nova Times Square. Tirou os carros e colocou gente. Não tem nenhuma construção monumental.

A Times Square, em NY, antes e depois da obra de Jan Gehl

Entre os dois conceitos, o que tem prevalecido é um terceiro. O pior de todos. As grandes cidades do Brasil que já cresceram desordenadamente, na base do improviso, vivem atrás de encontrar lugar para os carros. Eles mandam nas cidades.

Jan Gehl observa em “Cities for People”: -“Durante décadas a dimensão humana tem sido negligenciada, enquanto a acomodação do crescimento da frota de automóveis é o foco.O modernismo dá baixa prioridade ao espaço público de encontro e ao pedestre. O mercado e as tendências arquitetônicas criaram os edifícios individuais que levam a mais isolamento, introversão e rejeição”.

Estamos emparedados. De cara, pelos carros, que vão ganhando espaço e nos tirando a mobilidade.

Depois pela arquitetura das formas. Corremos, se pudermos, atrás delas. Em São Paulo, pior ainda, a forma é escassa. Corremos para dentro de caixas de isolamento. Sem graça, cinzas, quadradas. A nossa vida é entre o carro e a casa. O canto do computador ou da TV. Embora, a cidade esteja na rua. As pessoas aproveitando a vida nas ruas.

Zaha Hadid concorda que é preciso conectar as pessoas. Não se pode fugir disso. Ela quer uma cidade acessível com prédios contínuos e grandiosos. Jan Gehl quer atender as necessidades das pessoas, sempre que possível juntando-as. De modo diverso as propostas são tornar a cidade acessível.

Quem manda na cidade de São Paulo não somos nós. São as pessoas. O poder público se perdeu na burocracia, no anacronismo, na legislação feita para não fazer. Não conduzimos nem somos conduzidos. Vamos indo.

Temos que sair dessa roubada. Senão a gente vira coisa.

A dimensão humana tem que ocupar a rua. Que tal começar pelo conserto da calçada?

 (Texto publicado originalmente na Folha.com)
 
About these ads

Ações

Information

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 214 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: